quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Sara com café: e afeto!!!!

ultimo dia do ano... e a vida continua dando surpresas. fui em busca de café... sair de casa tentando matar o tempo (ou a tristeza), cheguei na padaria, o único lugar visivelmente aberto, entrei e a senhora logo anunciou que estava fechada, mas um homem - meio bêbado, meio sóbrio - (tenho impressão que ele foi com minha cara...) surgiu na frente dela e perguntou o que eu queria, falei que apenas um café, ele disse que me daria. agradeci e começamos...

entre um gole e outro cheguei na conversa mais maluca do mundo. ele estava com lata de red blull na mão, e eu com meu cafe requentado. empolgado, ele perguntou meu signo... quando anunciei ele colocou o maior sorriso do mundo, pois o seu é o mesmo!

Gêmeos: lunáticos, utópicos e sonhadores!

Obrigado signo, você salvou meu ano!

das palavras...

     O calendário vira, e a vontade eh continuar no mesmo lugar. Ano passado, nessa mesma data, eu estava tentando lidar com a dor. No ano anterior... a mesma coisa. O ciclo ê tao vicioso que nenhuma mudança eh capaz de fazer ir embora tanta tristeza junta. 

     Dizem que preciso tomar atitudes, mas no fundo eu sei que nenhuma decisão faz o vazio ser preenchido. Eh tao visceral que transpassa qualquer coisa!. Mais uma vez me vejo entrando e saindo de situações buscando cobrir uma dor que ninguém tem a sensibilidade de chegar junto... Chega um momento que basta, e a gente precisa assumir que chegou o fim.

     Bom,todos eles misturam sexo, amor, desejo e futuro... e eu apenas gostaria de ser abracada. Ser sentida e ouvida. Antes de pensar em construir uma vida com alguém, pensei que gostaria de me sentir segura... depois dele, jamais conseguir. Voltei com ele, pensando que faltava me jogar de cabeça, outra vez, na nossa relação, mas o buraco não foi coberto.

     Ele cobra atenção. Ela: decisão. A outra fala em ciume e apego: e eu apenas quero sair correndo de tudo isso. Quero libertar todos eles: e a mim mesma. O vazio eh tao grande, que as simples conversas com os amigos nem são saudáveis.

     Tenho a ideia que ninguém vive nesse ciclo como eu. Tenho a ideologia que todos têm seus momentos de instabilidade, mas ninguém sente essa vontade de acabar consigo mesmo a todo instante. Eu não consigo pensar diferente. E assim vou fechando mais um ano!


Peixinho, gostaria de compartilhar com você o que acontece. Mas eu sei que você já não consegue mais lidar com tantos problemas. Não fique chateado comigo, por favor. A gente chegou, e você também encontrou bastante pressão... Estou tentando lidar da minha forma. Estou tentando me libertar na escrita!

da mente ao coração, ou o contrário

Misturei cafè com
caipirinha
na mesma intensidade
que amor com dor

Além de mim,
houveram
roupas entrelaçadas
ao redor

Perguntei sobre
outro envolvimento
e a afirmativa foi negativa
dentro do olhar
profundo

Na manha seguinte
a outra pergunta
de algum amor
branco

Eu, ainda utópica,
não respondi.

Fico consumindo o
silencio
esperando somente
o próximo passo
que darei!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Mãe,


eu pensei que nosso encontro destruiria meu plano, mas ele fez exatamente o contrario: fortaleceu. Sinto muito não conseguir suportar mais. Eu tentei entender seu lado, exilei minhas dores.. mas não aguentei.


Busquei ajuda logo em seguida, e a conclusão foi marcar uma nova consulta com o psiquiatra e pensar na escolha que quero seguir... o único problema, depois de 45 minutos de fala, é que EU NÃO TENHO A PORRA DA VONTADE DE SEGUIR PARA LUGAR NENHUM, e ele simplesmente não conseguiu entender. Ele não percebeu o grito de alerta, meus gritos de socorro... da mesma forma que você também não, e eu só consigo entender que essa merda de vida não tem solução! 

domingo, 27 de dezembro de 2015

Silêncio. Uma vez mais: silêncio.

Compromissos sociais que nada dizem, apenas para corpo presente. Eu estava lá da mesma forma que as bolas vermelhas na árvore de Natal. Um copo de cerveja foi colocado na minha mão, como se a bebida fosse sinônimo de presença. Eu estava lá para fazer pose para fotos, vídeos bonitos e ser apresentada como par. Eu estava lá em corpo, enquanto a alma desejava voar. Fui ao quarto, passei mais de 30 minutos encarando o celular e ninguém percebeu a ausência... o espetáculo já tinha acabado.


Hoje, mais um compromisso social. Deveria ficar pronta em duas horas, anunciaram... Mas, cheguei em casa, fiz uma xícara imensa de café, joguei o corpo no sofá e liguei a playlist. Dez minutos antes de começar o evento, mensagens desesperadas começam a chegar, o corpo precisava ser apresentado outra vez. Eu apenas disse que estava pensando na roupa que iria usar.


Bom, o evento já começou, daqui a pouco acaba: e eu apenas quero mais uma xícara de café!

sábado, 26 de dezembro de 2015

Los Caminos De La Vida...



~Los caminos de la vida
Son muy difícil de andarlos
Difícil de caminarlos
Y no encuentro la salida~

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

ainda 2015

       E mais um ano acaba, e a gente vai pensando na sua conclusão. O mundo continua igual, penso. O processo da ceia de natal chegou, os dias para virada do ano aparecem por todas as partes e você lembra da listinha do ano anterior… que pra ser bem sincera, ate a de 2008 ainda nem chegou perto de ser concluída.
       O novo ano começa e você espera que toda tristeza vá embora com o ano velho. Mas você sabe que o cachorro preto fica ali, presente entre acertos e erros. Entra ano e sai ano, o cachorro preto espera, junto com você, a conclusão do final do ano.
      Pois bem, aqui estamos, nós, eu e ele, escrevendo mais uma vez.      Utopicamente ou concretamente, nunca saberemos, entre as nuvens. Ele deseja falar, eu desejo cala-lo. 
      Apesar da listinha do começa da escrita, sinceramente desejamos apenas ser compreendidos. Ontem uma amiga perguntou onde eu estava que não havíamos nos conhecido antes… ja que nos conectamos tao bem; infelizmente nos despedimos horas depois num aeroporto lotado de corações solitários. Acredito que se o tempo tivesse permitido, teríamos chegado as conversar mais profundas de nossas vidas.
          Ela voltou para o apartamento, sua filha e a musica alta para espantar a solidão. Cada um de nós temos estrategias para lidar com o cachorro preto. Ela não sabe com quem passara a virada do ano, e eu apenas sei que dessa vez não estarei sozinha - seja la o que isso signifique.
          Ha um par de semanas foi minha mãe falando em compreensão, ela dizia que ninguém conseguia compreender a gente. Eu e ela. E a vontade foi sair correndo para seus braços. Sentir-me impotente e imensamente frustada por permitir que o cachorro preto tomasse conta dos meus dias tendo uma mãe tao adorável como a minha…
      Bom, deveria ser a escrita da conclusão do ano, e para ser sincera, foi um ano lindo, com lindas experiencias que oferecem espaço para uma ESCRITA MARAVILHOSA PRA KRALHO!, porem houveram momentos terríveis, como esse. Talvez esse não fosse o melhor momento para escrever… Mas o que posso fazer se o cachorro preto decidiu fazer mais uma visita?

maldito 24

parecia ate premonição:
a tristeza aumentava cada vez que eu me aproximava de casa, 
coloquei o pé em solo firme, 
e já não poderia controlar as lagrimas. 
não entendia o que acontecia, 
talvez de uma forma não consciente: 
eu sabia que voltaria aos mesmos espaços. 

eu não entendo seus motivos, mas pode ter certeza que não estarei aqui para descobrir-los! 

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

e mesmo depois de tanto tempo, eu estou aqui com essa cara de boba e o coração aos pulos com medo de você ir embora mais uma vez... medo de sentir que não somos suficientes um para o outro, medo de não escolher qual sera o vinho para noite, medo de não sentir o aconchego do teu abraco. eu te deixei ir milhões de vezes, mas você sempre resolveu ficar; resolveu, pois você eh como eu... quando o coração manda, a gente simplesmente obedece! você não eh perfeito, mas se encaixa em mim como ninguém.

quero ser congruente
para te amar sem limites!

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

eu gostaria de acreditar em cada frase sua. considerar que toda besteira que passa na minha cabeça possa sumir na mesma proporção que vai aparecendo. eu pensei que o problema era comigo... pela quantidade de culpa, mas a culpa a cada dia vai diminuindo, e eu juro que estou tentando. o vazio continua, a indecisão continua, o desespero fica aqui consumindo - batendo na porta. eu tento, imploro para os demônios irem embora, mas eles insistem em bater na mesma tecla.

Lila Downs - Naila