quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

das palavras...

     O calendário vira, e a vontade eh continuar no mesmo lugar. Ano passado, nessa mesma data, eu estava tentando lidar com a dor. No ano anterior... a mesma coisa. O ciclo ê tao vicioso que nenhuma mudança eh capaz de fazer ir embora tanta tristeza junta. 

     Dizem que preciso tomar atitudes, mas no fundo eu sei que nenhuma decisão faz o vazio ser preenchido. Eh tao visceral que transpassa qualquer coisa!. Mais uma vez me vejo entrando e saindo de situações buscando cobrir uma dor que ninguém tem a sensibilidade de chegar junto... Chega um momento que basta, e a gente precisa assumir que chegou o fim.

     Bom,todos eles misturam sexo, amor, desejo e futuro... e eu apenas gostaria de ser abracada. Ser sentida e ouvida. Antes de pensar em construir uma vida com alguém, pensei que gostaria de me sentir segura... depois dele, jamais conseguir. Voltei com ele, pensando que faltava me jogar de cabeça, outra vez, na nossa relação, mas o buraco não foi coberto.

     Ele cobra atenção. Ela: decisão. A outra fala em ciume e apego: e eu apenas quero sair correndo de tudo isso. Quero libertar todos eles: e a mim mesma. O vazio eh tao grande, que as simples conversas com os amigos nem são saudáveis.

     Tenho a ideia que ninguém vive nesse ciclo como eu. Tenho a ideologia que todos têm seus momentos de instabilidade, mas ninguém sente essa vontade de acabar consigo mesmo a todo instante. Eu não consigo pensar diferente. E assim vou fechando mais um ano!


Peixinho, gostaria de compartilhar com você o que acontece. Mas eu sei que você já não consegue mais lidar com tantos problemas. Não fique chateado comigo, por favor. A gente chegou, e você também encontrou bastante pressão... Estou tentando lidar da minha forma. Estou tentando me libertar na escrita!