quarta-feira, 6 de janeiro de 2016


em busca de formas
para nao acabar 
com os proprios
sonhos

sigo mais uma vez...

o mundo,
ainda desnudo,
cruel e instavel
nao favorece
os passos

compartilho
o café com a madrugada
enquanto as letras
expressam solidao

nao posso pensar em
mim
se nao acabar com 
a gente
hoje mais que ontem!