segunda-feira, 30 de maio de 2016

bonitinho...


"queres tomar um sorvete?" ele me chamou no meio da nossa troca de mensagens, fiquei tão paralisada no momento, mas neguei. estava tão tumultuada que fiquei com medo de me aproximar dele. mas ele deve ter entendido e continuamos conversando e trocando músicas, enviei para ele as melhores músicas latinas que eu conhecia, ele ficou encantado e uma hora depois nos desconectamos.

havíamos nos conhecido há uns 3 anos, pelo menos, numa gráfica que ele trabalhava. eu estava tirando xerox e ele puxou papo. há um ano ele me adicionou no facebook, lembrava do seu rosto, mas não sabia de onde... não aceitei mas enviei uma mensagem perguntando quem era, e há três semanas ele me respondeu, e me fez lembrar daquele dia. antes de ontem respondi.

eu achei nosso reencontro muito bonitinho. imagina responder uma mensagem que você recebeu no facebook um ano depois? hahaha ele pareceu muito comigo nesse quesito! e eu achei legal.

não neguei nossa saída por ele, mas pelo turbilhão que anda acontecendo na minha vida. honestamente fiquei morrendo de medo de pensar que iria encontrar alguém, principalmente nesse desenho que estava se formando. só de pensar em compartilhar alguma coisa com alguém, já me sinto entrando em panico.

pensar em sair de casa para tomar sorvete com um cara é demais para mim. não consigo. mas o importante foi ficar com a sensação que ainda existem pessoas legais no mundo...

domingo, 29 de maio de 2016

Eu não existo para consertar você


Infelizmente ele não se esforçou, de fato, para dar início a uma jornada de crescimento benéfico. Ele não partilhava do meu desejo de auto-aperfeiçoamento contínuo, e seu orgulho muitas vezes o impediu de reconhecer certas questões dentro de si mesmo.

(...)

Apesar de ter sido tão incrivelmente drenante para mim explicar constantemente e elaborar e envolver-me em conversas sérias, tudo muito frustrante, assumi que isso significava que ele me considerava uma pessoa sábia, observadora, alguém que ele levava a sério e escutava, porque ele estava se apaixonando loucamente pelo meu cérebro.

Mas na realidade, ele só me via como sua ferramenta de desenvolvimento. A espectadora humana que ele usou, feriu, esmagou e exauriu em seu caminho para a melhoria gloriosa, ou pelo menos em seu caminho para a talvez possível melhoria gloriosa. É claro que ele adorava ouvir meus pensamentos importantes sobre sua existência, porque se eu o analisasse criticamente e dissesse-lhe exatamente o que ele precisava fazer para corrigir a si mesmo, então ele não teria que levantar um dedo. Me ter ao redor facilitou as coisas. Eu era sua vida, respiração, falar, andar, barômetro moral que o explicou o certo do errado e soou o alarme quando ele estava sendo vil e deu-lhe conselhos detalhados sobre como prevenir a sua bostice.

 Quando ele se comportava mal, eu estava lá para lhe dar um tapa na mão e dizer: “Moleque impertinente!” e apontar seus erros. Ele me queria por perto, simplesmente porque queria trabalho emocional gratuito que não devolvia, mas estava feliz em receber.

(...)

Estou muito ocupada trabalhando em mim mesma para também levar 100% da carga do progresso do meu parceiro. Eu não tenho a energia para corrigir simultaneamente vários seres humanos, especialmente se as minhas emoções estão sendo feridas no processo. E eu definitivamente não tenho tempo para fazer isso sem cobrar por hora.

Texto divulgado e completo em Casa da Mãe Joana.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Bridegroom - Documentário



Sinopse: Ele perdeu o amor de sua vida, e agora querem tirar todo o resto. A morte é mais difícil para os que sobrevivem.

----

dói. dói pensar que ainda criminalizam a união legal de pessoas do mesmo sexo. e o quanto isso pode custar para o reconhecimento perante a justiça.

dói saber, que além da história de Shane, existem várias pessoas no mundo sofrendo e lutando para serem reconhecidas por apenas gostarem de outra pessoa.

dói pensar na falta de acolhimento da família, nas LGBTTTfobias declaradas, no sofrimento de Tom ao longo dos anos. dói. terminei o documentário em lágrimas por infinitas razões... dói.

porém existiu uma luz dentro de mim,

há pouco mais de uma semana recebi uma das melhores notícia dos últimos tempos. depois anos de diálogos, uma senhora, de 72 anos, me disse que por conta das nossas infinitas conversas refletiu muito e estava aceitando, e apoiando, seu neto homossexual, que só desejava acolher-lo. os pais dele não o aceitam de jeito nenhum (e até ignoram o fato!) mas agora o jovem de 17 anos tem o apoio da sua avó.

um dos filhos dessa senhora me disse "obrigado pela paciência com mamãe." e eu soube, a partir daí, que o diálogo é minha única arma.

ps: documentário Bridegroom disponível em Netflix e aqui no Youtube.

terça-feira, 24 de maio de 2016



Querida eu,

Liberte-se!

Esqueça os detalhes, os traumas, os medos. Esqueça.

Enfie a cara no travesseiro 
Grite até a garganta doer
Chore até não aguentar mais

Liberte-se!

Chegou o momento de voar. E viver.

Liberte-se!

bolha e ilha

Eu sabia que mais uma queda não ia aguentar
Tentei avisar
Mas ele é estúpido - e cego - demais quando deseja

Pois bem
Tive que colocar
Minha cara para ser batida
Mais uma vez

Espero que Deus ilumine
Minha pobre cabeça
Enquanto escuto os gritos do
"Você só pensa nos próprios desejos!"

Se pelo menos eu sentisse desejo nessa merda toda...

Na última sessão minha psicóloga disse que eu precisava ficar fortalecida primeiro
E depois podia pensar em que atitude tomar

"Eu estou pagando, arranque isso de mim"
Tenho vontade de ligar e dizer
Mas ela iria apenas adiantar minha sessão o mais rápido que pudesse
E a raiz do problema iria continuar.

Seis anos e seis meses. Você foi minha salvação e hoje é minha destruição.
Você, novamente, conseguiu me arrancar tudo.
Não sei como, mas irei transformar esse monte de fumaça, em um ar possível de ser respirado.

E pode acreditar, neguinho: eu vou sobreviver mesmo arrastando esse monte de entulho!
E você estará bem longe quando eu colocar fogo nesse lixo todo.]

segunda-feira, 16 de maio de 2016

talvez o problema de tudo isso é que eu tente ser o reflexo dos desejos alheios. de algum modo, todos os passos da minha vida caminharam assim. mas eu sou aquela que se masturba para ficar bem e deixa o café esfriar enquanto escreve.

eu sou aquela que tem curiosidade com mil coisas e "caça" tudo sobre o assunto, e por isso é chamada de inteligente. mas de inteligente eu não tenho nada. é apenas curiosidade mesmo...

eu sou aquela que entra e sai de envolvimentos/romances de forma louca, tenta ser constante e erra em algum ponto. eu sou aquela que toma mais remédios que o recomendado, deixa o quarto uma bagunça e tem dificuldade de continuar os tratamentos psiquiátricos e psicológicos. eu sou aquela que não termina os tratamentos psiquiátricos/psicológicos desde 15-16 anos entra e sai deles como se fosse um parque de diversões.

eu sou aquela que gosta dos livros de Marques de Sade e a última vez que fiz tal confissão foi numa aula na faculdade, e todos me olharam como se eu fosse uma louca - nunca mais tive coragem de confessar para ninguém.

sou aquela que detesta esperar. seja uma resposta ou a água do café ferver. não existe nada pior que esperar uma resposta, tenho vontade de perguntar se a pessoa morreu e que pelo amor de deus me envie o santinho do velório. MAS sou aquela que deixa a pessoa esperando por resposta por horas, dias ou semanas. coerência? jamais!

já comentei que estou falando até com as paredes em espanol há uma mês pois irei fazer uma linda prova de proficiência em nível avançando no idioma no próximo sábado? hahaha se alguém quiser conversar comigo, super aceito... já que as paredes sempre ficaram em silencio uahsuash

há uns dois dias sonhei que conversava com minha mãe sobre Judith Butler. minha mãe possivelmente nunca ouviu falar em Butler, mas no sonho ela reconhecia Butler na porta de um supermercado - e toda sua teoria - e insistia para que a gente falasse com ela. talvez eu esteja neurótica demais com a entrevista para seleção do mestrado próxima quinta.

já disse que sou o tipo de pessoa que entra num seleção de mestrado com medo de receber o resultado positivo ou negativo, e que nenhum dos dois define nada? pois bem, essa sou eu. também já comentei que estou sem saco para desconstruir paradigmas e encarar aqueles papos acadêmicos que só me faz ficar irritada?

talvez esse seja o momento de olhar para mim mesma e fazer o que sempre desejei. ser eu, ser livre, ser liberta. e esquecer desse monte de conceitos pré estipulados.

eu sinto muito


eu sinto muito por não ser essa pessoa que você espera, nem que tenha tanta confiança em si mesma. eu sinto muito por me entupir de remédio e mais ainda por você reconhecer nos detalhes... eu sinto muito os detalhes.

eu sinto muito por gastar mais dinheiro em tratamentos psiquiátricos que com livros. ou passeios. ou roupas. ou sapatos. eu sinto muitos os infinitos desabafos que metade você já escutou milhões de vezes. e mesmo assim escuta como se fosse a primeira.

eu sinto muito não ser essa mulher da sua vida. mesmo com nossa conexão toda. eu sinto muito que a gente tenha deixado escapar tudo. eu tentei muito que tudo voltasse ao que um dia foi, mas - sinto muito - eu não consigo.

eu sinto muito por dançar somente de forma estranha e sempre trocar as letras das músicas. eu sinto muito por sempre colocar as mesmas músicas. e gostar do mesmo tipo de café... eu sinto muito não saber cozinhar direito ou não gostar de abraço no calor.

eu sinto muito não ser essa pessoa que você sonha que eu sou. talvez você tenha me desenhado de uma forma muito mais bonita da realidade. e eu sinto muitíssimo te decepcionar. mas eu não sou ela. e tenho medo que você descubra e nunca mais olhe para minha cara.

eu sinto muito todas as decepções.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

vamos, eu estou com você, e podemos aprender juntas


Ex namorado. Ciúme extremo. Abuso psicológico. Machismo. Culpa. Depressão. Prato cheio! Ela poderia ser eu. Poderia ser você. Poderia ser uma conhecida. Poderia ser qualquer mulher. 31 anos, acadêmica, sonhadora e amante de viajar. Mas depois de confissões extremamente profundas, ela me falava em suicídio. Eu, que sou próxima do tema na prática e na teoria, comecei a observar com mais cautela. Ela estava sofrendo, gritando e berrando por ajuda ali no ouvido sobre um ex namorado que só trazia sofrimento a cada aproximação.

Não, eu não tinha fórmulas mágicas para lhe ajudar. Eu tinha apenas meu ouvido e toda disponibilidade do universo para lhe acolher.

Eu também estou aprendendo
A conviver comigo mesma
Sem deixar o outro decidir

Eu também tento
Respirar por mim

Vamos à luta
Hoje, e até amanhã
Mas vamos de cabeça erguida!

Você pode descobrir o mundo sozinha
Somente com o desejo interior,
Esse inglês arranhado,
O espanhol do "¿Comó estás?"

Você simplesmente pode
Colocar essa bagagem nas costas
E voar!

Você já aprendeu,
Que se perder num país estrangeiro
Pode até ser uma delícia!

Lembra do mendigo que te ajudou
Com o mapa?
Existem muitas outras pessoas maravilhosas no mundo a cada esquina!
A gente só precisa ter cara de pau... e conversar com elas naquele idioma que não é nosso

Vá por mim
Você pode fazer belíssimos companheiros
e esquecer desse babaca que só diminui tua auto estima.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

"hoje dói demais..."

VAI TER LUTA from Lena Tosta on Vimeo.

Eu sei que o dinheiro é o problema.
Eu sei que tem gente no esquema.
Eu sei que não vale a pena:
a miséria da gente é
a nossa miséria no instante da frente.
Eu sei que egoísmo é uma lama
onde o rio doce jaz
Eu sei, tanto sei, que hoje dói demais...

Vida, isso é vida,
quando deus é o dindim?
Vida, isso é vida,
quando a grana é meio e fim?

Não mais!
Nenhum passo atrás!
Ou direito a menos!
Juntos, sim, é que podemos


quarta-feira, 11 de maio de 2016

mãe,

eu continuei. e continuou com o fio de esperança em minhas mãos. como se eu fosse capaz de segura-lo sozinha por toda eternidade. existem pingos de afeto do outro lado, como se eu não precisasse de mais. mas eu preciso. eu realmente preciso.

eu tento demonstrar de infintas formas, com presença, com escrita, com ligações, com solicitações de encontro. nada é aceito ou retribuído. um "eu te amo" num momento de pressão é dito, mas no concreto nada acontece.

será que você não percebeu, mãe, que abdiquei todos esses meses por você? para continuar respirando o ar da mesma cidade... para a gente morar perto e você não ter essa maldita desculpa que estou longe!? o que você faz com isso? joga no lixo!

mãe, além de você eu preciso quebrar outro ciclo também. isso se tornou tão doentio que me vejo vaga no mundo esperando respostas que não aparecem. e a gente sabe que a resposta para nossas vidas não precisam ser dada pelos outros, mas por a gente mesmo. todavia, mãe, eu me tornei essa pessoa que depende dos outros e não consegue fechar ciclos. essa pessoa que deixa o canal aberto simplesmente por não saber lidar. simplesmente por continuar segurando esse maldito fio de esperança!

eu me tornei uma mulher de 23 anos que já não sabe caminhar sozinha, você percebe o absurdo disso?

você não soube, mas eu me tornei uma pessoa perdida. frágil e que tem medo do amanhã. mãe, eu sei que não preciso de ninguém, apenas de mim mesma para guiar meu futuro, porém, nesse momento, estou em pedaços. e tentando respirar sem ajuda de aparelhos. mas vai se tornando extremamente difícil com o passar dos dias.

eu não tenho intensão de te culpar pelo monte de entulho que coloquei na minha vida... mas estou tentando compreender como consigo me livrar dele. e o primeiro ciclo que ainda não fechei foi o nosso.

eu te amo profundamente. e desejo muito que um dia a gente compreenda tudo que anda acontecendo.

mãe, eu realmente gostaria que você estivesse ao meu lado nesse momento, pelo menos para tomar uma xícara de café comigo e dizer que eu consigo construir meu destino sozinha, sem esperar decisões de ninguém.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

"os minutos foram reavaliados"

Eles fumavam incenso,
Maconha e cigarro

O cheiro misturava
Com pitu e um vinho barato

Cheguei,
(Não tomei nem fumei.)
Da fase de vinho barato eu já tinha passado

Ela juntou seu corpo com o meu
Enquanto fumava mais um cigarro
E tomava coca cola

Eu não gosto do cheiro do cigarro
mas estava gostando do seu
e ali fiquei.

Seus dedos entre
Aos meus
demonstrou que apenas aquela
Poesia nos unia

Nossos olhares se cruzaram infinitas vezes
Mas eu sabia que dali não passaria

Mas gostei dos toques
e apreciei cada detalhe
(aquilo já estava se transformando numa linda poesia!)

Talvez eu tivesse bem envolvida com o pessoal recitando
(com amor e luta tudo na mesma linha)
E tivesse permitido o beijo no canto direito da boca...

sexta-feira, 6 de maio de 2016

recadinho...



Querido Sigmund Freud,

eu nunca quis que meu pai me comesse. e nunca tive inveja do pau de homem nenhum. e meu tesão/amor/afeto por mulheres não é uma doença.

Com amor,
Sara Com Café.

*explicando psicanálise com poucas letrinhas porque não sou obrigada interpretar (e reproduzir) de forma bonitinha teórico escroto.
deveria ser café requentado
mas eu estou sem animo para sair do quarto
e requentar meia garrafa de café na cozinha

então estou tomando meia garrafa de café frio
e comendo chocolate
enquanto escrevo

pois é,
mais uma vez aqui.

deveria estudar,
traduzir,
lidar com minha vida

pagar as contas no banco
resolver minhas contas do banco
comprar um livro
já falei estudar?

deveria deixar de escrever
texto ruim
deveria deixar de escrever
sobre mim mesma

pois é,
mais uma vez aqui.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

poemizar


a presença-ausente
camuflada

dos detalhes
que nada diz

como os não ditos dos livros
de interpretação

os demônios chegam
atrapalham,
o mar surge de longe por algumas horas
mas a obrigação já corre
em direção

o café esfriou com nossa demora
e o tempo segue ritmo interminável

- voltarei ao psiquiatra próxima semana
- volte para mim próxima semana... eu ajudo você

terça-feira, 3 de maio de 2016

geminiana

pois bem, cá estou eu digitando mais uma vez. buscando algum tipo de proteção nas minhas escritas. e significados que me deixem continuar caminhando.

mais um dia passou. e em um mês completo 24 anos. um mês, mais um aniversário. três de junho. e quem poderia imaginar que há uns anos eu pensava que pessoas com essa idade já eram adultas?! eu me sinto uma adolescente que esqueceu de crescer de tanta indefinição que ronda minha vida...

ontem no twitter alguém dizia que "depressão é top demais porque vc faz umas coisas muito simples tipo Tirar O Lixo e fica se sentido a pessoa mais foda da galaxia" e eu pensando que já me sinto foda quando saiu da cama e consigo tomar remédio. cada um com suas prioridades. "por favor, pelo amor de deus, funcione." eu digo assim que pego o remédio.

às vezes fico arrependida das decisões que tomei nos últimos tempos. "se não tivesse tomado tal decisão minha vida estaria diferente nesse momento e eu não estaria triste". mas isso é a maior besteira do universo, pois eu vivo com essa tristeza para onde vou. o tempo todo. e isso é a maior merda.

há algumas semanas minha mãe me ligou exclusivamente, depois de tempos sem eu saber do paradeiro dela, para dizer que tinham aberto um concurso público. "eu vi, mas não tenho intensão de fazer". "não tenho, simples assim" "você deveria tentar" "não vou fazer, não quero, meu objetivo é outro". e assim terminou nossa conversa. e desde então não conversamos. eu deveria reclamar, dizer "que mãe horrível eu tenho"... mas honestamente entrei na fase "menos um ser humano que eu tenho contato, amém senhor". difícil viver, ces não tem noção.

ontem o whatsapp foi bloqueado pela justiça brasileira... e por alguns minutos fiquei imensamente feliz por ter essa desculpa "na manga" quando ele voltar para uma amiga mexicana que não respondo desde quarta feira passada. no meu whatsapp, antes do bloqueio, tinha mais de 30 mensagens dela. amiga essa que eu tinha altos papos no México e que quado eu falo fico bem animada. e que marcamos de conversar para ela me ajudar num questão MINHA. o problema é ter animo para ligar e dizer "oi". perdão, eu gosto muito de você, não desisti de mim por favor!


aproveitando o embalo: miga, desculpa se eu desistir de ir na "festa viada" e deixar sobrando um lugar no carro... mas olha, eu te amo e é isso que importa. pede desculpas as migas que tu queres me apresentar. eu sou legal e prometo conhecer elas em outro momento e com certeza ainda vamos falar muito de psicologia. podemos marcar alguma coisa em algumas semanas, alguns meses, alguns anos. beijo.

como nada tem sentido nessa escrita mesmo: sdds tacos.

Talvez eu seja somente mais uma inconstante
Em pedaços
Pela metade

Os cacos de vidro
Que deixei pelo chão
podem cortar Tua pele
e causar uma hemorragia
Até teu coração deixar de bater

Você não tem medo?

Talvez eu seja
Lunática
Egoísta
E sem rumo
Que transforma palavras
Em vida

Talvez eu só esteja esperando
Esse espetáculo acabar
Para descansar um pouco

Talvez eu seja
Uma e nenhuma
Talvez eu seja ninguém

domingo, 1 de maio de 2016

apesar de tudo: eu acredito no amor.
acho a coisa mais linda desse mundo
e penso que sofrer por amor também é bonito

do sofrimento ao prazer

sou dessas que acha que vai morrer
de amor antes dos 30
e se não for para morrer de amor,
não valeu viver 

eu sei, 
sou radical,
impulsiva
e apaixonada.