sábado, 11 de junho de 2016

- Não estás feliz?



- Não estou feliz. To com medo. Muito medo de até onde vai tudo isso. Minha vontade é tomar um monte de remédio e dormir, perder o voo, perder tudo... (...) É como se eu não quisesse participar da minha vida. Entende? Acho que toda minha vida seria perfeita para qualquer outro ser humano, mas não pra mim. Eu não quero participar. Eu não quero participar da minha vida.


- Vai passar... Ei, mas amanhã vamos passear né? Seguiremos o plano, né?


- Você não entendeu o que falei? 




Agora trecho do texto: "Eu costumava achar que era louca" (um relato de um relacionamento abusivo)

Estabeleci um limite. Uma fronteira que não atravessaria. No minuto que ele me batesse, eu iria embora. Mas na verdade eu sabia que nem assim iria embora. Teria racionalizado: ao me bater, ele perceberia como as coisas estavam fora do controle. Tudo mudaria.

(...)
Quando tudo terminou, não tive direito a luto. Ninguém era capaz de entender como amor, ódio, medo e conforto podiam coexistir. Não entendiam que, além de abusar de mim, ele era meu confidente, a pessoa para quem eu cozinhava, a pessoa que passava o domingo chuvoso assistindo TV comigo, a pessoa que ria comigo, a pessoa que me conhecia.

Perdi meu companheiro. Como explicar que o abuso era só uma parte dele? Como explicar isso para si mesma?
Até hoje lembro de momentos carinhosos e me pergunto se as coisas eram tão ruins assim. Ainda tenho dificuldade em reconciliar como ele podia me amar e me machucar como seu eu fosse a inimiga.
Como uma criança, estou aprendendo a redefinir as fronteiras do comportamento normal e a realinhar minhas expectativas. Tenho de lembrar que atos de violência nunca podem ser atos de amor.

6 comentários:

  1. isso mesmo... e ha q saber quando se tem q por um ponto final... logo no primeiro ato...

    ResponderExcluir
  2. Em casos assim um basta é preciso antes que fique pior.
    Interessante seu artigo..Parabéns!
    Um ótimo domingo, beijos

    ResponderExcluir
  3. Só gostaria de saber porque toda essa tristeza, toda essa decepção com a vida...
    a) estás doente?
    b) estás com alguém doente?
    c) Acho que você é meio complicada com o mundo!!!
    EU hein???

    ResponderExcluir
  4. Pelo trecho do texto, por isso é que é tão difícil sair duma relação como essa.

    ResponderExcluir
  5. Pelo trecho do texto, por isso é que é tão difícil sair duma relação como essa.

    ResponderExcluir