terça-feira, 29 de novembro de 2016

meu corpo: meu lugar para chamar de lar (recorrido por 2016) #parte1

dezembro de 2015 foi um mês terrível, janeiro somente transmitiu o que já estava acontecendo. em dezembro voltei para o Brasil (depois de um semestre interessante e uma bonita viagem no final!) e não tinha mais nenhum lugar para chamar de lar, janeiro fui acolhida pelas minhas tias da forma mais carinhosa e amável que a situação permitia.

estava incomodada com infinitos silêncios estabelecidos, falta de compromisso, apego, respeito e empatia. Mudei de estado com a cara e com a coragem. A suposta mudança virou uma "volta ao passado" que eu já não estava disponível. Um mês depois estava fazendo as malas para casa da minha tia outra vez.

Lidei com a realidade crua e sair desse lugar virou objetivo. Porém tentei infinitas vezes fazer conexão com os cabos que ainda restavam. Passou um, dois, três meses... eu já estava sufocada com tanta indecisão, falta de empatia e desrespeito. Pensei muitas vezes em pegar os cabos para tirar minha própria vida. Psicóloga, psiquiatra e remédios eram apenas questão de tempo.

entre consultórios, derrotas, insonia e solidão, ainda conseguia pensar num projeto de investigação, sair para tomar coca cola - esporadicamente - com xs amigxs (obrigadx xs que ficaram!) e pensar no "amanhã".

um dia antes do meu aniversário recebi a notícia que passei no mestrado fora do país. iniciei a luta por mim mesma, já que tinha esperado meses por alguma resposta que me fizesse ficar. nada apareceu nem com o resultado de despedida.

12 de julho deixei o Brasil. deixei para tentar me encontrar e estudar sobre um tema que tanto sou apaixonada. além de tudo, fui descobrindo o significado do amor e da distancia, da lealdade e da vontade de ficar juntos.

"Sonho que é sonhado junto, vira realidade" e talvez esse seja o maior problema das relações: o ser humano é egoísta demais para sonhar junto com o outro.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Arnaldo Antunes - "Longe"





Nenhum email chegou
Nem o correio virá
E eu entre quatro paredes sem porta
ou janela pro tempo passar

Dizem que a vida é assim
Cinco sentidos em mim
Dentro de um corpo fechado
no vácuo de um quarto no espaço sem fim

Aonde está você?
Por que é que você foi?
Não quero te esquecer
Mas já fiquei tão longe
Longe...

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

relações e afins... precisamos falar sobre elas.


sob a perspectiva de uma apaixona com os pés nos chão, vou tentar expor algumas ideias sobre as relações amorosas a partir das minhas experiencias. segura na cadeira que vamos começar.

pois bem, aqui estou outra vez nessa posição de acreditar no amor e suas consequências. mas os pensamentos ainda aparecem. não que tudo seja muito perfeito, mas é impossível viver nesse mundo sem questionar nada. e sem escutar nada!

nos últimos tempos tenho escutado diversas histórias terríveis sobre o carácter humano. terríveis. ao nível foda mesmo. histórias sobre machos que traem e enganam suas companheiras da forma absurda, e a coisa fica mais pesada quando o machismo entra no meio.

por exemplo, um cara que acha que sua mulher não pode ter relações com outros caras mas ele pode "sair por aí" para aproveitar a vida. nesse nível pra pior. ou que beija a AMIGA da namorada como se não tivesse problema nenhum e no dia seguinte convive com as duas na sala da SUA CASA. e ops, a namorada não sabe de nada!

ou mais, um cara que chama uma mulher para dormir na casa dele... para estudar... com intenções veladas sobre suas muitas intenções, mas o detalhe é que ele tem... ops, uma ESPOSA! "só chamei para estudar, só foram mensagens bobas, sem importância, nem ia acontecer mesmo" 

é minha gente, o mundo é uma loucura tipo fodaaaa.

eu não sou nenhuma santa. mas também não sou uma cínica do krallho. como todos no mundo já traí e já fui traída, mas é incrível como eu ainda consigo me surpreender como as histórias. e eu fico muito felizmente de nunca ficar apática por casos desse tipo!

se sentir segunda opção da vida de uma pessoa que você pensava em construir a vida não é um gosto nada saboroso, e por isso nos últimos tempos eu tenho estado COM MUITO PÉ NO CHÃO nesse sentido. por isso eu só entro em relações monogâmicas onde a pessoa deixe muito clara sua intenção. nada de amor livre, nada de poliamor, nada de relação aberta, nada de pessoas que escondem seus sentimentos. to cansada de entrar em relações com pessoas que são mais perdidas no mundo que eu!!!!

MAS 
as pessoas são cínicas, e...
se vocês soubesse a quantidade de gente que já escutei a mesma "ladinha", as pessoas iram sentir vergonha de falar AS MESMAS COISAS pra mim. e possivelmente devem falar pra todo mundo, existem algumas clássicas que pqp...

- Você é a mulher da minha vida
- Eu nunca senti ciúme antes
- Eu sou um homem diferente dos outros

gente, sério, mudem o discurso. toda vez que um cara chega dizendo isso, já sei que vem merda. nem existe o questionamento, é batata! vem merda.

e algumas vezes as pessoas pensam que a gente não tem esse lindo radar chamado "intuição". então por isso eu digo... colega, se a intuição baterem em vocês, podem ficar com a pulga atrás da orelha e buscar!!!! 

"Nada em mim foi covarde, nem mesmo as desistências: desistir, ainda que não pareça, foi meu grande gesto de coragem." MEU MAIOR GESTO DE CORAGEM.

Obrigada querida eu!