quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

LGBTTT+


"Eu não quero que meu filho seja gay!"
Eu rebato essa frase com:

Eu não quero que meu filho precise esconder sua sexualidade por ter uma família que não o respeita. Eu não quero que minha filha ache que não existe formas de se proteger quando transa com sua namorada e não busque alternativa e que fique vulnerável as doenças sexualmente transmissíveis. Eu não quero que meu filho seja mais um número nas estatísticas. Eu não quero que minha filha seja piada nos almoços de família porque não apresentou nenhum namorado homem-cis. Eu não quero que meu filho seja morto numa boate porque só pode beijar seu namorado em locais privado com a bandeira LGBTTT+ na porta. Eu não quero que minha filha me apresente sua namorada como amiga porque tem medo da minha reação. Eu não quero que meu filho tenha medo da sua família; Eu não quero que minha filha fique exposta aos olhares estranho da sociedade e ache que é normal ser julgada. Não podemos, e não devemos, naturalizar julgamento!



Eu quero que meus filhos sejam livres para aproveitar a vida da melhor forma possível, sem medo, sem receio e sabendo que beijar uma pessoa do mesmo sexo que ele/a não é vergonha para sua mãe.

Se depender de mim: meus filhos nunca saíram do armário pois eles nunca vão precisar se esconder em um!

7 comentários:

  1. Sara, que palavras corajosas e esclarecidas! Eu acho que, no fundo, as pessoas que dizem "não quero que o meu filho seja gay" concordam e sentem tudo o que aqui está escrito, mas continuam a achar que pela simples negação conseguem mudar a realidade e fazer com que ela deixe de existir.

    ResponderExcluir
  2. Ainda estamos longe de ver essa aceitação generalizar-se.

    ResponderExcluir
  3. Essa é uma bandeira que carrego desde sempre, moça. (Seu nome é Sara? Sempre fico na dúvida em me direcionar).

    A minha história, desde que me entendo por gente, tem amor. E foi só o que aprendi a oferecer. A tudo. A todos. O meu preconceito é com quem tem preconceito.

    Que possamos unir nossas vozes por uma tentativa de paz. De noção. De amor sem cor, sexo, religião.

    Um beijo e um abraço.

    ResponderExcluir
  4. clap clap clap! parabens sara! que lindo texto, que texto forte e verdadeiro... uma pena que os boçais que falam bobagens como "eu não quero que meu filho seja gay" não vao ler isso! beijao! obrigado por emocionar!

    ResponderExcluir
  5. Subscrevo o seu texto na íntegra.
    Todos deviam pensar assim, pois seria tudo natural.
    Boa semana, Sara.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Sara, querida!
    Que magnífico esse texto. Concordo inteiramente.
    Você, sem dúvidas, merece aplausos.

    Beijo grande ;)
    Blog: *** Caos ***

    ResponderExcluir
  7. Continua a ser tão difícil desfazer os preconceitos...
    Texto formidável! Com o qual concordo na integra!
    Bjs
    Ana

    ResponderExcluir