sábado, 25 de fevereiro de 2017

Recife está dentro de mim

Eu acordei na sexta-feira, 24 de fevereiro, sabendo da importância do dia. Eu estava me preparando emocionalmente a meses  para aquele período. Eu estaria tão longe de onde eu gostaria de estar, que fui ajudando meu corpo e meu psicológico a entender que seria apenas por um momento.

Pois bem, sexta feira chegou, tentei fazer minhas atividades normais... Mas chegou momento que ˜bummm˜ e eu já não aguentava mais. O relógio batia 15:30 mas em Recife já estava 20:30.

Peguei o celular, busquei no YouTube Carnaval de Recife ao vivo e encontrei. Que felicidade. Eu estava esperando tanto por esse momento! Emparelhei com a televisão e a abertura carnaval estava passando na minha sala ao vivo!

Mesmo com todos os casacos que cobriam meu corpo, eu estava pulando e suando como louca. Os tambores, a negritude, o Marco Zero de tantas experiências estava tão longe e tão perto ao mesmo tempo. Saíram lágrimas do rosto de emoção, felicidade e muita saudade, claro.

Fiz um café enquanto assistia. Que imagem louca. Recife deveria está com 40 graus naquele lugar e eu com um café, toda coberta e 16 graus. Que loucura.

Infelizmente tive que seguir o dia e as atividades sabendo que em algum momento eu iria voltar para aquela energia. Seriam pelo menos 8 horas de transmissão, e lógico que eu voltaria para aproveitar.

E voltei algumas horas depois com cerveja, o termômetro marcando 8 graus e o coração nas alturas! Felicidade e saudade num mesmo corpo. Recife, eu te amo!

Sábado de carnaval, 25 de fevereiro, eu possivelmente iria para as ladeiras de Olinda, mas a distância de quase 10mil km é realmente dura. E bem, eu ainda tenho um artigo para entregar nas próximas horas...

Frevo n 1.
Ô ô ô saudade
Saudade tão grande
Saudade que eu sinto
Do Clube das Pás, do Vassouras
Passistas traçando tesouras
Nas ruas repletas de lá
Batidas de bombos
São maracatus retardados
Chegando à cidade, cansados,
Com seus estandartes no ar.
Que adianta se o Recife está longe
E a saudade é tão grande
Que eu até me embaraço
Parece que eu vejo
Valfrido Cebola no passo
Haroldo Fatias, Colaço
Recife está perto de mim.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

sapatão


Oi gente, tudo bem?


Então, outro dia me chamaram de sapatão, imagina só... Eu, a pessoa que se classifica como todas as cores do arco-iris, é chamada de sapatão pois a pessoa achava que ia me ofender.

Podem chamar de sapatão, hétero, bi... Não é ofensa não viu? Podem usar o termo que quiser, não ofende hahahah E sapatao eh um termo que eu ate gosto muito! Acho super adoravel.

*Que um dia a gente seja livre para ser quem quiser e não precise de classificações. E que um dia as pessoas deixem de ficar se metendo na vida dos outros. Amém!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

que o caminho tenha nos fortalecido

eu gostaria de continuar com as lembrancas boas. eu gostaria que tudo tivesse mais calmo e sereno. eu gostaria de nao ter cometido tantos erros. mas foram os erros que me trouxeram ate aqui. como dialogar com isso? bem, eu acredito que poderia estar no mesmo lugar mesmo sem os erros. mas muita coisa seria diferente.  o mundo seria diferente agora.

talvez tudo tenha ficado como 12 beijos depois algumas novembres-cervejas. meia duzia de conversas, uma ilusao paralela da minha parte.

talvez o mundo nao seja assim tao acolhedor.

acabei de sair de uma aula, onde basicamente, o que falamos foi cultura popular. resistencia, lutas de classe. relacoes de poder. lembra quando te comentei que a enfermagem era uma grupo de resistencia... e que a musica uma forma de protesto?!

por hoje, eh isso.